More

    Renner apresenta estratégia de moda responsável na COP27

    spot_imgspot_img

    Companhia foi convidada pela 1ª vez para Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas depois de alcançar a maior pontuação entre todas as empresas do varejo no mundo no Índice Dow Jones de Sustentabilidade, em 2021

    A introdução das melhores práticas de sustentabilidade em seu ecossistema de moda e lifestyle nos últimos anos levou a Lojas Renner S.A. a ser convidada para a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2022 (COP27), de 6 a 18 de novembro, no Egito. Em sua primeira participação no evento promovido pela ONU, a companhia apresentará suas iniciativas em dois painéis no dia 8, o primeiro sobre moda sustentável no Brasil e o segundo sobre como usar o poder do ESG para transformar o mundo.

    O convite foi recebido depois que a Lojas Renner S.A. atingiu, em novembro de 2021, a maior pontuação entre todas as empresas varejistas no mundo no Índice Dow Jones de Sustentabilidade (DJSI), que avalia as práticas ESG dos maiores grupos de capital aberto em vários segmentos da economia. A companhia brasileira somou 80 pontos do máximo possível de 100, impulsionada pelos resultados alcançados no seu primeiro ciclo de compromissos públicos em sustentabilidade, que vigorou de 2018 até o final de 2021 e foi sucedido por metas ainda mais ambiciosas para o período 2022-2030.

    Maior varejista de moda omnichannel do Brasil e dona das marcas Renner, Ashua, Youcom, Camicado e Repassa, além da instituição financeira Realize CFI, a Lojas Renner S.A. vai detalhar nos painéis da COP27 a sua estratégia de moda responsável, pioneira no setor, e que está vinculada aos seus novos compromissos públicos de sustentabilidade baseados em três pilares: soluções climáticas, circulares e regenerativas; conexões que amplificam; e relações humanas e diversas.

    “A oportunidade de participar de um evento desta magnitude representa o reconhecimento internacional da consistência da nossa jornada para tornar todo nosso ecossistema moda e lifestyle cada vez mais sustentável. Buscamos ser agentes de transformação, atuando de forma colaborativa com nossos colaboradores, fornecedores e consumidores, para que nossas atividades gerem impactos positivos não apenas para o setor, mas para toda a sociedade”, diz o gerente geral de Sustentabilidade da Lojas Renner, Eduardo Ferlauto.

    Rumo à neutralidade climática — No seu primeiro ciclo de compromissos, encerrado em 2021, a companhia reduziu em 35,4% as emissões corporativas absolutas de dióxido de carbono (CO2) na comparação com o inventário de 2017. Ao mesmo tempo, atingiu o patamar de 100% do consumo corporativo de energia suprido por fontes renováveis de baixo impacto (solar, eólica e pequenas centrais hidrelétricas).

    Agora, o novo ciclo, ao longo dos próximos oito anos, prevê a transição para a descarbonização do negócio, a partir de métricas baseadas na ciência e capazes de criar as condições para a Lojas Renner S.A. chegar à neutralidade climática até 2050 — em linha com o Acordo de Paris, que estabeleceu o desafio global de limitar o aquecimento médio do planeta a 2°C acima dos níveis pré-industriais.

    Nesse contexto, um dos objetivos deste novo ciclo de compromissos é alcançar uma redução significativa das emissões até 2030. A Renner. quer que as roupas desenvolvidas por suas marcas próprias emitam 75% menos CO2. Esta meta foi submetida e aprovada pela SBTi (Science Based Targets Initiative), iniciativa do Pacto Global das Nações Unidas, do Carbon Disclosure Program (CDP), do World Resources Institute (WRI) e do World Wide Fund for Nature (WWF), que apresenta parâmetros matemáticos para se alcançar a emissão líquida zero dos gases do efeito estufa.

    Roupas mais sustentáveis e lojas circulares — Neste novo ciclo, a Lojas Renner S.A. se compromete a incorporar os princípios de circularidade no desenvolvimento de seus produtos e serviços, além de investir em matérias-primas têxteis circulares e regenerativas e na ampliação de processos responsáveis, como, por exemplo, o menor consumo de água e a transição energética da cadeia de fornecimento. O objetivo é garantir que, até 2030, 100% das peças de vestuário das marcas próprias da varejista sejam mais sustentáveis.

    No período 2018-2021, a companhia já havia atingido o patamar de 81,3% de roupas menos impactantes desenvolvidas pela marca Renner, identificadas pelo selo Re — Moda Responsável. O desempenho superou em 1,3 ponto percentual a meta fixada.

    Um exemplo desta evolução é a linha de jeans da Renner, que já alcançou a marca de 100% de produtos com algum atributo de sustentabilidade. A coleção mais recente, lançada em outubro, foi feita exclusivamente com a técnica de upcycling, a partir do reaproveitamento de peças em desuso e de amostras de tecido. Em junho deste ano, a marca lançou ainda uma linha inovadora de calçados fabricados com matéria-prima que utiliza os resíduos de uvas empregadas na elaboração de vinho e suco na sua composição.

    A Renner também inaugurou a primeira loja circular do varejo brasileiro em outubro de 2021, no shopping Rio Sul, no Rio de Janeiro, e depois outra em março deste ano no shopping ParkJacarepaguá, na mesma cidade. Enquanto a primeira recebeu o selo LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) no nível Gold, a segunda foi reconhecida com a certificação BREEAM (Building Research Establishment Environmental Assessment Method), um feito inédito no país. Durante o mês de novembro, outras duas lojas circulares serão abertas no mesmo modelo, em Petrópolis (RJ) e em São Vicente (SP).

    Os conceitos de sustentabilidade e circularidade adotados nas lojas circulares da Renner incluem a reutilização e o descarte adequado de materiais ao final da vida útil, a manutenção de espaços verdes com plantas e elementos naturais, o uso de fontes renováveis e a redução no consumo de energia, economia de água e menor geração de resíduos e de emissões de CO2. A partir de 2023, todas as novas unidades da marca passarão a incorporar pelo menos algumas dessas premissas como parte do processo de evolução contínuo do parque de lojas.

    Colaboração e diversidade — A ampliação da geração de valor ao longo de sua cadeia de suprimentos para oferecer continuamente produtos e serviços mais sustentáveis é outro pilar que move a estratégia de moda responsável da companhia. No fim de 2021, toda a rede global de fornecedores da marca Renner já era certificada por meio de critérios socioambientais e até 2030 o objetivo é estender o mesmo tipo de certificação aos parceiros e empresas da Lojas Renner S.A.

    Está prevista ainda a implantação de sistemas de rastreabilidade em 100% dos produtos de vestuário feitos com algodão, assim como avanços nos controles de origem das demais matérias-primas têxteis. Em maio deste ano, a Renner e a Youcom lançaram, em parceria com a Abrapa (Associação Brasileira dos Produtores de Algodão), as primeiras coleções de jeans femininos rastreadas com tecnologia blockchain no Brasil.

    Internamente, a varejista compromete-se a evoluir permanentemente nos indicadores próprios de diversidade a fim de assegurar oportunidades de pleno desenvolvimento pessoal e profissional aos seus colaboradores e de espelhar cada vez melhor a pluralidade da sociedade brasileira.

    Neste caso, a meta é ter, até 2030, no mínimo 50% do total de cargos de liderança ocupados por pessoas negras, o que corresponde a um crescimento de 18 pontos percentuais em relação à participação atual. No mesmo período, a companhia pretende ter no mínimo 55% da alta liderança formada por mulheres, ou 6 p.p. a mais do que o cenário atual.

    Recentes

    Quer receber mais conteúdos como esse?

    Você pode gostar