More

    TOTVS aponta: adoção de soluções mobile é prioridade de investimento dos varejistas nos próximos dois anos

    spot_imgspot_img

    O aumento da digitalização de processos e a adoção de ferramentas de assinatura digital também estão nos planos dos varejistas, conforme mapeou o Índice de Produtividade Tecnológica de Varejo

    Nos próximos dois anos, os varejistas brasileiros têm como prioridade de investimento ampliar o uso de soluções em dispositivos móveis, é o que aponta o Índice de Produtividade Tecnológica (IPT) de Varejo. O estudo mapeou que 68% dos varejistas pretendem avançar no uso de soluções mobile, assim como devem ampliar a digitalização de processos (64%) e a adoção de ferramentas de assinatura digital (62%). Realizada pela TOTVS, maior empresa de tecnologia do Brasil, em parceria com a H2R Pesquisas Avançadas, a pesquisa avalia a adoção de tecnologias e a performance dos negócios do setor varejista.

    “Não há mais dúvidas de que o varejo finalmente entendeu a importância da digitalização e, assim, tem dedicado seus esforços e investimentos em tecnologias que incrementem sua operação, tornando-a cada vez mais produtiva e competitiva. Prova disso é o interesse em investir e adotar soluções e tecnologias em dispositivos móveis, que livram os varejistas de processos no papel, suscetíveis a erros e perdas de informação, e proporciona mais mobilidade na gestão e operação do negócio”, destaca Elói Assis, diretor-executivo de produtos de Varejo da TOTVS.

    Entre as tecnologias apontadas para o plano de investimentos futuros também aparecem: monitoramento preventivo, automação de processos, análises preditivas, blockchain, Inteligência Artificial, RFID/Beacon, reconhecimento facial e a adoção de robôs.

    Um ponto de atenção é a falta de visão do setor para a adoção de soluções voltadas para a gestão dos clientes e de vendas. O IPT Varejo identificou que, dentre ferramentas com essa finalidade, o CRM é a mais adotada pelos varejistas, mas ainda assim é utilizada por pouco mais de 1/3 dos entrevistados.

    “Apesar da atração natural por tecnologias de maior hype, como análises preditivas ou blockchain, ainda há um baixo investimento do setor em ferramentas mais essenciais, voltadas para vendas ou para a gestão do consumidor, e que tem resultados comprovados. Os varejistas podem e devem desenhar e estruturar diversas estratégias visando o futuro, a continuidade e ampliação dos negócios, porém é importante salientar que atrair e reter o cliente, assim como proporcionar uma boa experiência de compra, é e sempre será o centro dos negócios de qualquer varejista”, reforça Elói.

    O Índice de Produtividade Tecnológica (IPT) de Varejo ouviu 673 empresas, nacionais e multinacionais, de todas as regiões do Brasil, com faturamento anual igual ou superior a R$2 milhões.

    Recentes

    Quer receber mais conteúdos como esse?

    Você pode gostar