Pesquisa mede expectativas de impacto da crise nas empresas

Impacto da crise do novo coronavírus, o covid-19, nas empresas.

O número de infectados pelo novo coronavírus cresce a cada dia e as medidas de contenção são cada vez mais restritivas. Não são poucos os países que chegaram ao extremo de proibir a circulação de pessoas nas ruas.

O resultado para a economia é desastroso. Um ‘meme’ que vem circulando nas últimas semanas pelas mídias sociais diz, com muita propriedade, que “o covid-19 causará mais falências do que falecimentos”. Se ainda é relativamente cedo para tomar esse pensamento como verdade absoluta, também é fato que muitas empresas não sobreviverão à tempestade. A pergunta que fica é: o que os gestores planejam para enfrentar esse momento indesejavelmente prolongado de enorme turbulência?

Procurando uma resposta para esta indagação, a YPO, comunidade de liderança global composta por mais de 29.000 diretores executivos em 130 países, realizou uma pesquisa com seus membros para ter uma ideia do impacto comercial do Covid-19 e das ações que os diretores executivos estão tomando como resultado dessa nova realidade para os negócios.

O estudo é recentíssimo: os 2.750 diretores executivos entrevistados em 110 países foram ouvidos entre 10 e 13 de março a partir de um questionário online. Os resultados mostraram que a maioria dos gestores vê um impacto negativo do Covid-19 em pelo menos um aspecto de seus negócios, e muitos outros diretores executivos antecipam que as coisas vão piorar nos próximos seis meses antes de começarem a melhorar. As principais descobertas adicionais incluem:

  • As viagens de negócios (87%), o desenvolvimento de novos negócios (62%) e as receitas (58%) são as três principais áreas que estão sofrendo o maior impacto do Covid-19, segundo a maioria dos diretores executivos.
  • Quase todos os líderes empresariais (82%) esperam declínios nas receitas nos próximos seis meses, mas daqui a um ano mais da metade (54%) não espera impacto negativo nas receitas devido ao Covid-19.
  • 95% dos líderes relatam tomar medidas em resposta ao Covid-19. Essas ações incluem comunicação mais regular com os funcionários (68%), adoção de novos procedimentos de saúde e segurança (67%), cancelamento de grandes eventos (64%) e suspensão de viagens de negócios (53%).
  • Esse novo ambiente também levou os executivos a mudar as metas de curto prazo (32%), pesquisar novas inovações de negócios (28%) e fazer alterações em suas cadeias de suprimentos (18%). Observando os dados regionalmente, quase metade (49%) dos executivos-chefes europeus e asiáticos (excluindo o sul da Ásia) (42%) implementaram o trabalho remoto para todos os funcionários.
Impacto negativos correntes x impactos negativos esperados do Covid-19 em diferentes aspectos dos negócios
Impactos correntes x impactos esperados do Covid-19 nas receitas da empresa

Cenário vai piorar antes de começar a melhorar

A grande maioria dos líderes empresariais (82%) que participaram da pesquisa espera declínios nas receitas nos próximos seis meses. Mas, daqui a um ano, mais da metade (54%) espera que a receita permaneça a mesma ou melhore. Os executivos-chefes dos países com o maior número de casos Covid-19 relatados têm maior probabilidade de reportar a expectativa de uma queda de mais de 20% nas vendas no próximo ano.

  • 66% dos executivos-chefes esperam que seu total de investimentos fixos permaneça inalterado ano após ano.
  • 60% dos entrevistados esperam que o número total de funcionários em seus negócios permaneça o mesmo até o próximo ano. As empresas do Oriente Médio e Norte da África (33%), Europa (29%) e Sul da Ásia (27%) são as que mais esperam uma redução no número total de funcionários, enquanto as empresas dos EUA (20%) e da América Latina (23%) são as que esperam menor enxugamento na mão de obra.
  • Na Ásia (excluindo a região sul do continente) e no Oriente Médio e Norte da África, 34% e 33% dos executivos-chefes, respectivamente, esperam uma queda superior a 20% nas vendas no próximo ano, a maior entre todas as regiões. Nos Estados Unidos, apenas 13% dos executivos esperam uma queda superior a 20% nas vendas no próximo ano, a menor entre todas as regiões.
95% dos executivos já tomaram medidas por conta do coronavírus, entre elas reduzir custos, alterar metas de curto prazo, implementar home office e etc.
Impacto nas regiões onde a maioria dos CEOs tem experimentado um impacto negativo nas receitas

Conselhos de CEO para CEO

A YPO pediu aos entrevistados que oferecessem seus melhores conselhos de liderança para outros executivos-chefes durante esta pandemia global. Aqui estão as principais recomendações, que valem também para que sua loja de autopeças enfrente com mais eficiência esse momento único e extremamente grave:

Fique calmo – Tome decisões com base em fatos e pense além da crise. Nós vamos nos recuperar.

Antecipe-se – Seja otimista, mas planeje o pior. Prepare-se bem antes de um fechamento ou quarentena exigida pelo governo. Configure um plano de contingência e esteja pronto para implementá-lo.

Comunique-se – Abuse das ferramentas de comunicação; reforce as informações preventivas e no melhor interesse dos funcionários e da comunidade. Esteja disponível para seus funcionários e clientes.

Proteja o bem-estar dos funcionários – Garanta a saúde e o bem-estar de sua equipe como uma prioridade. Trabalhe remotamente, tanto quanto possível. Garanta o apoio da equipe durante as ausências por problemas médicos e planeje o rodízio das equipes, além de responsabilidades compartilhadas para cobrir qualquer possível escassez de gente.

Garanta resiliência financeira  Foco em planos estratégicos de resiliência financeira. Corte custos sempre que possível e guarde dinheiro. Faça investimentos estratégicos para durar até a crise passar.

Encontre oportunidades – Use esta crise para encontrar oportunidades para inovar ou fornecer um valor único. Negocie melhores condições, contrate talentos disponíveis e aumente a participação de mercado por meio de excelência no desempenho.

Reduza viagens e reuniões – Incentive e adote reuniões de trabalho em casa e virtuais. Implemente políticas de home office. Envie para casa qualquer pessoa doente ou com sinais de doença.

Trabalhe com fatos, não rumores – Escolha suas fontes de informação com cuidado. Confie em informações equilibradas e de alta qualidade para tomar decisões.

Estabilize sua cadeia de suprimentos – Reavalie a exposição ao risco da sua cadeia de suprimentos. Aumente o estoque de todos os materiais provenientes de países fortemente afetados. Procure canais de compras alternativos.