Marcas próprias e premium avançam na reposição dos EUA

No aftermarket dos EUA tem crescido as marcas próprias e premium.
Por Claudio Milan

As marcas premium e as marcas próprias estão entre as principais tendências do mercado de reposição dos EUA conforme destacou Steve Flavin. “Em relação aos produtos premium, um fator que impulsiona as vendas é o envelhecimento da frota. Um exemplo são os lubrificantes para carros com quilometragem mais elevada. O crescimento é forte e acontece em todas as marcas. Estamos vendo o acréscimo de vendas de óleo sintético, a indústria está realizando um bom trabalho na educação dos consumidores e fazendo com que as pessoas comprem produtos melhores”. Iluminação e palhetas também aparecem como exemplos concretos de crescimento nos preços médios e volumes unitários nos últimos seis anos. Mas a tendência, segundo Flavin, vem se repetindo em várias outras áreas.

Em relação às marcas próprias, o executivo da NPD destaca, além da exclusividade, as margens mais atraentes que esses produtos proporcionam. Elas já estão presentes em praticamente todas as categorias de componentes automotivos. Os mais comercializados são baterias, fluidos de transmissão, graxas e anticongelantes. No total, as marcas próprias já representam 33,4% das vendas do varejo nos Estados Unidos.

E, novamente, a gigante Amazon aparece como uma referência. “A Amazon tem cerca de 100 marcas próprias que foram introduzidas de forma rápida e eficaz. Ela pode comercializar esses produtos diretamente. Entendemos que as marcas próprias representarão um negócio de 25 bilhões de dólares para a Amazon nos próximos quatro anos. A empresa não tem no Brasil o tamanho que tem nos EUA. Mas fiquem de olho na Amazon!”.

A tendência das marcas próprias está crescendo na reposição dos EUA.