Locadoras de veículos lucram mais no primeiro trimestre

Valor Investe

Como o avanço da pandemia da covid-19, consumidores adotaram novos comportamentos e hábitos. A viagem de avião, por exemplo, foi substituída por uma esticada de carro no interior. A terceirização da frota cresceu como opção das empresas para cortar custos. Ao mesmo tempo, o preço do carro seminovo se valorizou — e o segmento de revenda de automóveis ganhou mais importância nos balanços das locadoras.

No primeiro trimestre Localiza, Unidas e Movida — as três maiores empresas do setor — tiveram, juntas, um crescimento de 35% no lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, para R$ 1,4 bilhão, uma alta de 35% na comparação anual. O lucro líquido subiu 366%, para R$ 703,8 milhões, amparado pelo menor custo com a depreciação dos veículos.

Na contramão, a receita somada das três empresas apresentou leve queda, de 1,8%, para R$ 4,3 bilhões. Contribuiu para esse desempenho a demora na entrega de carros zero quilômetro encomendados às montadoras, que fez as locadoras postergarem a substituição da frota e a revenda de seus seminovos. Mesmo assim elas saíram ganhando: sem veículos novos no mercado, o preço médio de revenda dos usados das três empresas disparou 32,7% no trimestre na comparação anual, para R$ 53 mil por veículo.