Expansão de frotas impactará estratégias da reposição

Claudio Milan

[email protected]

Uma série de tendências vai exigir atenção e ação dos estrategistas do Aftermarket Automotivo. Algumas já estão se concretizado – uma das principais é o envelhecimento da frota. “O fator determinante da nossa modelagem é o perfil da frota, a gente vê um envelhecimento conforme a queda nas vendas de 0 km acontece. Isso ocorreu em 2020. Veículos com mais de 12 anos eram um terço da frota. No pós-pandemia, o índice vai chegar a 45% da frota como um todo e resultará em consumo de peças e serviços. Isso reflete nosso entendimento sobre o dinamismo do setor”, pontou Roberto Fantoni, sócio sênior da McKinsey em sua apresentação no 2º Encontro da Indústria de Autopeças realizado em 5 de abril pelo Sindipeças.

Há, no entanto, uma tendência que vem gradativamente desafiando o mercado de reposição dado o impacto que vai gerar no dia a dia das empresas: a expansão das frotas. A transição do automóvel de produto a serviço é um fenômeno em curso e as próprias montadoras vêm buscando adequação a essa nova rotina – hoje a maioria já oferece serviços abrangentes de assinatura de veículos.

No aftermarket, os desafios não serão menores. “No Brasil muito rapidamente estamos vemos não um indivíduo negociando a compra do veículo, mas sim as frotas. Elas conseguem se financiar e gerir a manutenção e o seguro de forma muito mais racional que um indivíduo. E, finalmente, fazem a alocação de maneira mais inteligente: quanto mais usa o veículo, melhor. Dados mostram que um automóvel passa, em média, 96% do tempo estacionado no local de origem. Em menos de 4% ele de fato está sendo usado. Se você consegue usar os 96% para alguma coisa produtiva é uma fonte de valor enorme”, ilustrou Roberto Fantoni.

O executivo da McKinsey lembrou ainda que a tendência abrange desde as frotas corporativas até aquelas que alugam veículos para os motoristas de aplicativos.  “Quanto mais a gente se aproximar da total autonomia dos carros, mais veremos esses parques numa parcela relevante da compra de carros no país”.

E isso muda tudo para o mercado de reposição. Frotistas geralmente utilizam carros ainda no período de garantia. Ou trabalham com pacotes de manutenção. O mercado precisa acompanhar muito de perto os desdobramentos desta tendência na prática.