Executivos da reposição automotiva revelam expectativas para 2020

Por Lucas Torres

Convidados da cerimônia em homenagem aos vencedores do Prêmio Inova 2019 mostraram otimismo com as perspectivas da economia brasileira e o aftermarket automotivo.

Confira:


Daniel Chimello, diretor comercial da SKF

“A gente não pode acreditar que um país como o Brasil – gigante como é e dono de uma frota maravilhosa – não tenha oportunidade de crescimento. A gente tem sempre que pensar positivo e nossa expectativa pra 2020 não é diferente. É nítido e perceptível o entusiasmo em relação à nossa economia e, assim que acertarmos algumas coisas, esse clima irá se transformar em um resultado de melhoria muito forte. A expectativa da SKF é muito boa. Esperamos crescer em 2020, baseados nessa frota maravilhosa e nessa economia que aponta para um viés de crescimento muito forte”.

Daniel Chimello – Diretor Comercial da SKF


Eduardo Hiroshi, gerente comercial da NGK no Brasil

“A nossa perspectiva, ainda mais depois de uma premiação essa como a do Inova, é a melhor possível. O mercado de aftermarket tem se apresentado bem estável e, pra 2020, já estamos investindo na fábrica e na produção, de tal maneira que sempre confiamos em um crescimento razoável. Em relação ao quadro mais amplo, sobre a economia do país, a gente sempre espera o melhor. Estamos acompanhando toda a dificuldade do governo nessa área, mas acreditamos que 2020 será um ano bem melhor do que foi 2019”.

Eduardo Hiroshi – Gerente Comercial da NGK no Brasil


Francisco de la Torre, presidente do Sincopeças-SP

“Estamos otimistas. Esperamos um crescimento contínuo e sustentável. No fechamento de 2019 estamos com a expectativa de aumento nas vendas em torno de 6% e para o ano que vem um crescimento de 2% a 3% em relação às vendas deste ano.

Nossa expectativa é que o governo continue aprovando as reformas. Na área tributária, por exemplo, um rearranjo de tantos impostos que temos em torno de um único imposto, o IVA, que diminuirá o enorme custo com burocracia com que convivemos no país, bem como aumentará a segurança jurídica das empresas.

Além das reformas, nós do varejo entendemos como muito importante a retomada dos investimentos maciçamente em infraestrutura, o que não demanda do governo um esforço político tão grande, já que pode ser realizado através de PECs”.

Francisco De La Torre – Presidente do Sincopeças-SP


Newton Rosseti, gerente de marketing da RNA, Rassini - HNK Automotive

“Nossa expectativa para 2020 é crescer de 5% a 6% na linha leve do mercado de reposição. E eu acredito que o Brasil, ao menos no nosso setor, vá atingir também um crescimento sólido de 3%. O ano que vem será crucial para a reforma tributária e acredito que o presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia, saberá conduzi-las assim como o fez na Previdência. Ninguém aguenta mais o atual cenário tributário do país, tira muito nossa competitividade”.

Newton Rosseti – Gerente de Marketing da RNA, Rassini – NHK Automotive


Felipe Anholon, diretor geral de aftermarket da Fram

“O mercado segue um pouco o que a economia está apresentando e esta começou o ano de 2019 com muita expectativa e está terminando com muita incerteza. Talvez nem tanto quanto a gente estava nos anos passados, mas ainda não está positivo. O dólar é um sinal de que a gente sofre muito também com a instabilidade que acontece no cenário internacional e isso afeta muito os nossos negócios. O dólar afeta diretamente a matéria prima, o que coloca uma pressão forte na rentabilidade e impacta praticamente todos os players que estão no mercado hoje. Para 2020, esperamos um mercado bastante disputado, brigado do ponto de vista de preço, onde os mais eficientes e mais estratégicos irão largar na frente”.

Felipe Anholon – Diretor Geral de Aftermarket da Fram


Rubens Campos, vice-presidente de Aftermarket Automotivo da Schaeffler

“A expectativa para o país em 2020 é positiva. Apesar de nossos problemas políticos, econômicos e técnicos, vemos sinais positivos, sobretudo o fato de termos uma inflação baixa. No nosso segmento automotivo, vemos uma queda na produção de veículos, mas não por causa da queda de vendas no Brasil – que, pelo contrário, apresentará crescimento no balanço de 2019, mas pelo fato de o mercado automotivo não estar consumindo. Com relação à Schaeffler, vamos ter um crescimento de dois dígitos em 2019 e esperamos o mesmo para 2020. Esse crescimento está calcado na parte de treinamentos técnicos e no lançamento de uma série de produtos novos”.

Rubens Campos – Vice-presidente de Aftermarket Automotivo da Schaeffler


Alcides Acerbi Neto, diretor da Jahu e presidente do Sicap

“Em termos gerais, espero que o ano de 2020 seja melhor, o país vem numa crescente, em uma adaptação com juros caindo, previsão de crescimento do PIB… 2019 não foi como esperávamos, tivemos uma série de dificuldades políticas que refletiram no nosso resultado como país. Como empresa, no segmento de reposição automotiva, a gente vê uma perspectiva boa de crescimento”.

Alcides Acerbi Neto – Diretor da Jahu e Presidente do Sicap


Paulo Lira, gerente de vendas aftermarket para a América do Sul da Continental do Brasil

“Nossas expectativas para 2020 são bastante positivas, uma vez que já temos a reforma da Previdência aprovada e outras reformas que devem entrar em pauta no próximo ano que, com certeza, devem contribuir para a aceleração da economia do país. Com relação à nossa empresa, também esperamos resultados bem positivos pois já existem planos de investimento por parte de nossa matriz na Alemanha para que possamos expandir nossa capacidade de produção e, consequentemente, elevar o número de negócios”.

Paulo Lira – Gerente de Vendas Aftermarket para a América do Sul da Continental do Brasil


Ângelo Sturaro, diretor da Cobra

“Na economia a gente espera uma mudança para melhor. Este tinha uma boa perspectiva com o governo novo e a gente viu que, infelizmente, não saiu como o esperado. Muito tropeço, muita falação e pouco trabalho. Apesar disso, acreditamos que 2020 será um ano bem melhor do que foi este. O mesmo otimismo levamos em relação à distribuição. Existem alguns senões, vem muito material de fora do estado para dentro de São Paulo, o que acaba gerando uma concorrência predatória, algo que a gente espera que não aconteça no ano que vem. Essa perspectiva de mudança, por si só, traz muito otimismo para o próximo ano”.

Ângelo Sturaro – Diretor da Cobra


Elias Muffarej, conselheiro do Sindipeças e coordenador do GMA

“Para o setor de reposição independente as perspectivas para o ano novo são muito boas. Nosso mercado continua em expansão e há uma série de fatores que favorecem a manutenção dos veículos, principalmente na parte econômica. Isso porque, quando há um avanço na venda de veículos novos, o que provavelmente observaremos no balanço de 2019 depois de anos difíceis, o mercado de reposição é automaticamente beneficiado”.

Elias Muffarej – Conselheiro do Sindipeças e Coordenador do GMA


Alexandre Kohara, gerente  comercial da Braskape

“A economia, no geral, está bastante retraída no momento, bem aquém do que a gente gostaria que estivesse. Se tivermos uma reforma tributária, já haverá, de fato, uma melhora significativa, pois trará uma segurança maior para os empresários, investidores e, principalmente, para a indústria, que é um setor que está bastante apreensivo com essa questão. Falando especificamente do ramo do varejo de autopeças, é um segmento que está trazendo muita oportunidade em nichos. O e-commerce, por exemplo, tem oportunizado algum sucesso para empresas do setor, embora traga certas brechas nas questões tributária e fiscal, no âmbito da sonegação. O que abala um pouco a segurança de quem já está no mercado há algum tempo, que é o nosso caso”.

Alexandre Kohara – Gerente Comercial da Braskape


Edson Brasil, CEO da Arteb.

“Olhando para o mercado de aftermarket, mesmo com crise na economia nacional e situações difíceis em termos políticos, observamos que ele tem tido condições de crescer muito em razão da frota que nós produzimos em anos anteriores. Internamente, na Arteb, fecharemos 2019 com um crescimento de 14% e acreditamos que, para 2020, esse crescimento continue, agora na casa de 8%. Existem fatores que têm nos deixado otimista, como o fato de o mercado de reparação independente estar se estruturando cada vez mais, trazendo clientes do mercado original, o que acaba impulsionando nosso segmento. Existe também a questão da manutenção preventiva estar se enraizando na cultura dos brasileiros, que têm percebido que ela tem relação forte com a segurança de sua família, bem como reconhecido que ela é melhor para o bolso do que deixar o carro chegar ao limite, quebrando de alguma maneira”.

Edson Brasil – CEO da Arteb