Automec 2021: Feira está confirmada, mas organização observa evolução da pandemia

Lucas Torres

[email protected]

Embora o Brasil siga sofrendo os efeitos agudos da pandemia da covid-19, os planos dos organizadores da Automec de realizarem a feira de maneira presencial, agora no segundo semestre de 2021, continuam firmes. A fim de conhecer os fatores que dão confiança aos organizadores da feira de que é possível promover a reabertura do calendário de eventos automotivos no país nos próximos meses, nossa reportagem realizou uma entrevista exclusiva com Ricardo Barbosa, gerente da Automec, Confira:

Em 1º de outubro de 2020, quando os porta-vozes da Reed Exhibitions apresentaram o modelo híbrido da edição 2021 da Automec, Marcelo Ribeiro, vice-presidente da empresa, afirmou, confiante, que o evento poderia ser realizado com segurança já àquela altura. Na ocasião, ele garantiu que os protocolos planejados pela organização seriam sufi cientes para garantir a segurança do evento. Poucas semanas depois, diante da lentidão do país para mitigar os efeitos da pandemia, a Reed decidiu adiar para os dias 9 a 13 de novembro a feira até então agendada para a primeira quinzena de abril passado. Diante das instabilidades do processo de vacinação no país e da perspectiva de uma nova onda da doença, Ricardo Barbosa, gerente da Automec, optou por adotar agora um discurso mais cauteloso e ancorado na realidade dos fatos quando perguntado por nós, no último dia 25 de maio, sobre a confirmação definitiva da Automec para este ano.

Segundo ele, a Reed Exhibitions possui grupos de acompanhamento sobre a evolução da pandemia local e globalmente. E é com base na observação do cenário que a realização da feira na data prevista será ratificada. “O que nos dá confiança de que poderemos realizar é o fato de estarmos observando a curva de melhora. Os números de casos vêm diminuindo, a ocupação de leitos é menor. Enfim, todo esse cenário faz com que a gente projete que, em novembro, vai ser possível entregar a Automec”, introduziu Barbosa, antes de fazer uma ressalva fundamental: “Evidentemente, isso irá ocorrer com a confirmação dessa perspectiva de melhora. Se houver uma piora, quero deixar claro que a segurança de todos os envolvidos é prioridade. Não havendo condição de entregar o evento, a gente não vai entregar. Mas só vamos tomar essa decisão definitiva no horizonte de quatro meses de antecedência, que foi o que a gente fez no caso do último adiamento”. Embora a afirmação do gerente da Automec pareça óbvia, ela é importantíssima para deixar algo claro para expositores e visitantes: a realização da feira está majoritariamente atrelada às questões conjunturais do país, de modo que somente os protocolos de segurança não serão sufi cientes para suprir a ausência de um ambiente que ofereça as condições mínimas para um evento deste porte – em 2019, a feira recebeu 75 mil visitantes. A dependência da melhora conjuntural da pandemia, porém, não reduz os esforços de definição de medidas que possam maximizar as condições sanitárias da feira. Entre elas, Barbosa deu ênfase ao agendamento de horários de visitas e reuniões, o credenciamento prévio e 100% digital, além da adoção de marcadores de espaçamento que possam utilizar os 98 mil metros quadrados do Expo Center Norte para receber um grande número de pessoas e, ao mesmo tempo, evitar a ocorrência de aglomerações

O Center Norte, aliás, ganhou um capítulo especial no bate-papo do Novo Varejo com o porta-voz da Reed Exhibitions. Afinal, a mudança forçosa do evento – que teve suas duas últimas edições realizadas no São Paulo Expo – para os pavilhões próximos à Rodoviária do Tietê gerou questionamentos por parte de alguns expositores com que a reportagem do Novo Varejo conversou – neste momento, a feira conta com mais de 500 expositores confirmados. Transparente quanto à situação, Barbosa afirmou que a mudança tem caráter excepcional e será válida apenas para a edição de 2021 da feira. Após isso, a Automec retornará para o São Paulo Expo. Perguntado sobre alguma possibilidade de retorno do evento à sua antiga e já costumeira casa ainda neste ano, o executivo da Reed foi taxativo: “Não há essa possibilidade. O evento, se ocorrer, será no Center Norte”, colocou, acrescentando que o novo local possui uma estrutura tão boa quanto o pavilhão localizado na Rodovia dos Imigrantes

AMBIENTE VIRTUAL será complemento ao evento físico em sua essência

Na conversa com a reportagem do NVFD, o gerente da Automec, Ricardo Barbosa, também fez questão de ajustar a posição do evento no contexto do modelo híbrido apresentado há pouco mais de sete meses. Segundo ele, é fundamental deixar claro que a Automec 2021 é um evento físico em sua essência e que as ações virtuais – que incluem atividades de capacitação e acesso às palestras da feira – serão complementos para enriquecer a experiência dos empresários e profissionais do Aftermarket Automotivo. Inclusive, segundo ele, os dados coletados no ambiente virtual servirão de base para as ações realizadas no Expo Center Norte. Em suma, haverá um elo entre os dois ambientes, mas a feira, em si, é física

“Muita gente me pergunta: ‘a Automec agora é uma feira digital?’ e eu respondo: ‘não ela não é uma feira digital’. ‘Ah, mas então ela é uma feira híbrida’ e eu respondo: ‘também não’. A Automec é uma feira física que têm algumas ações digitais. Ela sempre teve, aliás, mas nesta edição teremos uma ênfase nesses complementos”, salientou Barbosa, acrescentando que as ações do ambiente digital da ‘Automec 365’ serão inauguradas agora, nos dias 8 e 9 de junho. Ricardo Barbosa entende que destacar a predominância do físico sobre o digital é relevante para o mercado. Afinal, segundo o executivo, esse é o grande ‘lance da feira’. “As pessoas querem se encontrar presencialmente para fechar negócio cara a cara”

Impacto da pandemia no ânimo do mercado em relação à feira

Muito transparente durante todo o bate-papo, o porta-voz da Reed também não se furtou a comentar as expectativas trazidas pelo cenário pandêmico para este que talvez seja o ponto mais relevante da Automec: a prospecção de parceiros, clientes e o fechamento de negócios. Para ele, a edição de 2021 terá como principal prejuízo a menor presença dos players internacionais, algo inevitável em razão da redução de mobilidade entre diferentes regiões imposta pelo novo coronavírus – em condições normais, a feira reúne um total de cerca de 1.000 expositores. A diminuição da participação estrangeira, no entanto, deve ser – na expectativa de Barbosa – o único impacto significativo, ao passo que ele espera o mesmo engajamento dos players do mercado interno. Como razão para o otimismo, ele cita pesquisas realizadas pela Reed Exhibitions que apontam o desejo de patrocinadores, expositores e visitantes voltarem a se encontrar. Perguntado sobre uma possível pressão por desistência da parte de alguns players, o gerente da Automec disse que, na prática, está observando apenas um movimento de cautela. Afinal, para ele é natural que as empresas cumpram suas obrigações de proteger os colaboradores, parceiros e clientes. “Evidentemente, todos estamos cautelosos e eu vejo isso com bons olhos. Ocorre que as empresas estão esperando a confirmação dessa expectativa de melhora no cenário para tornar pública e promover a participação no evento. Mas o mercado de reposição está bem motivado e, havendo possibilidade da feira ocorrer, ela vai ser um sucesso. O mercado continua engajado e empolgado. Continua conosco. Só precisamos dessa confirmação de melhora aqui e no mundo”