Varejo paulista de peças e acessórios acumula alta de 9% nas vendas

111

A pesquisa mensal ACVarejo, da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), aponta que o volume de vendas do varejo paulista como um todo aumentou 3,5% nos 11 primeiros meses de 2017 em comparação com igual período do ano anterior. Especificamente no segmento de autopeças e acessórios, o crescimento foi maior que a média geral e atingiu 9%.

“Há uma consolidação da retomada do comércio, que deverá prosseguir de forma cada vez mais intensa nos próximos meses, em resposta ao progressivo crescimento da renda, do emprego e do crédito. Além disso, pelo menos mais uma redução dos juros no começo de 2018 pode contribuir para essa intensificação”, comenta o economista Marcel Solimeo, diretor do Instituto de Economia Gastão Vidigal/ACSP, responsável pelo estudo.

Com alta de 15,8%, o segmento de lojas de departamento, eletrodomésticos e eletroeletrônicos foi o que mais cresceu no comércio do Estado, de janeiro a novembro de 2017, na comparação anual. “Embora o número de dezembro ainda não tenha saído, dificilmente esse ramo terá seu desempenho superado por algum outro. É um segmento que se beneficiou bastante da base fraca registrada em 2016 e foi estimulado pela redução dos juros, pelas facilidades na concessão de crédito e pelo alongamento dos prazos no ano passado”, analisa Solimeo. Também bastante dependentes de crédito, lojas de móveis e ecoração (10,4%), concessionárias de veículos (9,8%) e lojas de autopeças e acessórios (9%) se destacaram positivamente.

Dois segmentos ― lojas de vestuário, tecidos e calçados (-1%) e outros tipos de comércio varejista (-3,3%) ― anotaram quedas de janeiro a novembro. Neste último, o que pesou foi o preço dos combustíveis, que tem sofrido consideráveis elevações, levando à redução do consumo.

“A comparação entre os ramos mostra que o crescimento do varejo não é homogêneo nem disseminado”, explica Solimeo.

Todas as regiões do estado analisadas pela pesquisa ACVarejo registraram alta no volume de vendas nos 11 primeiros meses de 2017, com destaque positivo para a região de Jundiaí (8,4%). A menor elevação foi do Alto Tietê (0,1%).

Os dados abrangem o varejo ampliado, que considera concessionárias de veículos e lojas de materiais de construção, além dos segmentos habituais. No varejo restrito, que não inclui essas duas categorias, o aumento foi menor, de 2,7%.

A pesquisa ACVarejo é elaborada mensalmente pelo Instituto de Economia Gastão Vidigal da ACSP, com informações da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo. São avaliadas nove atividades econômicas e 20 regiões paulistas.

  • Durante o período janeiro-novembro de 2017, as vendas do varejo restrito (que não incluem veículos e material de construção) e do varejo ampliado (que inclui todos os setores) do Estado de São Paulo seguiram aumentando (2,7% e 3,5%, respectivamente), frente às elevações registradas na leitura anterior (2,6% e 3,5%, respectivamente).

 

  • Esses resultados continuam refletindo a retomada das vendas do varejo no Estado de São Paulo, explicada pela expansão da renda, do emprego e do crédito, além da menor taxa de juros e dos maiores prazos de financiamento.

 

  • No acumulado do ano, a quase totalidade dos segmentos considerados mostrou expansão do volume comercializado: lojas de departamento, eletrodomésticos e eletrônicos (15,8%); lojas de móveis e decorações (10,4%); concessionárias de veículos (9,8%); autopeças e acessórios (9%); supermercados (4,1%), farmácias e perfumarias (1,6%) e lojas de material de construção (0,9%). Por sua vez, os segmentos outros tipos de comércio varejista e lojas de vestuário, tecidos e calçados apresentaram contração de suas vendas (-3,3% e -1,0%, respectivamente).

 

  • Também vale destacar que, durante o mesmo período, as vendas do varejo ampliado cresceram na totalidade das Regiões Administrativas (RAs) do Estado. As maiores taxas de expansão novamente ocorreram nas seguintes regiões: RA-08 – Jundiaí (8,4%); RA-09 e RA-10 – Sorocaba e Vale do Paranapanema (6,9%); RA-11, RA-16 e RA-19 – Ribeirão Preto, Baixa Mogiana e Franca (6,8%) e RA-18 – Araraquara (5,8%).

 

  •  Os resultados de novembro seguem mostrando a consolidação da retomada do varejo paulista, que deverá prosseguir de forma cada vez mais intensa durante os próximos meses, respondendo
    ao progressivo crescimento da renda, do emprego e do crédito, além da possibilidade de contar com pelo menos mais uma redução dos juros no começo de 2018.

Enviar comentário