Varejo de pai para filho

39

Saiba como varejos de autopeças de sucesso trabalham a sucessão dentro de suas próprias casas

Lucas Torres

jornalismo@novomeio.com.br

O cenário do varejo de autopeças no Brasil está repleto de negócios que carregam o rótulo de ’empresa familiar’. Neste imenso universo empreendedor, encontramos desde iniciativas que buscam ainda profissionalização até exemplos consolidados de eficiência e sucesso.

Mas mesmo aquelas que já estão consagradas muitas vezes se deparam com desafios no momento em que se preparam para o processo sucessório. A troca de gerações no comando dos negócios é quase sempre um grande desafio. Especialmente em um mercado conservador, em que os jovens cada vez mais bebem na fonte das tecnologias mais inovadoras todos os dias.

Analisando os casos das duas empresas que irão protagonizar essa reportagem, a conclusão é: uma inserção bem feita, no tempo certo, na qual os filhos, antes de tudo, se preparam intelectualmente para assumirem responsabilidades nos negócios de seus pais só traz benefícios aos negócios.

Isso se dá porque os filhos, como herdeiros diretos, acabam se sentindo coproprietários e responsáveis pelo sucesso da empresa, o que invariavelmente torna maior o comprometimento com tarefas do dia-a-dia e sua consequente preocupação com os resultados em relação à média dos gerentes, por exemplo.

Outra questão positiva, já aludida anteriormente, é o fato de os filhos trazerem um frescor e uma cabeça jovem à mentalidade da empresa, muitas vezes quebrando paradigmas.

Todas essas variáveis estão presentes nas duas empresas escolhidas como representantes dessa homenagem do Novo Varejo às empresas que carregam o DNA “Pai e Filho” do varejo de autopeças.

Jocar e Casa do Chevrolet representam em São Paulo (SP) e Uberlândia (MG), respectivamente, o que há de melhor em administração empresarial no segmento e são exemplos de um processo sucessório bem feito.

A primeira, fundada em 1971 por João Sirvente, tem três lojas na capital paulista e um portal de e-commerce com um portfólio de cerca de 40 mil produtos em linha. Já a segunda, mais jovem, foi fundada em 1992 por João Pelegrini e se consolidou como um case de sucesso, tornando-se o alicerce para outras empresas de Pelegrini, como concessionárias de ônibus e caminhões e um centro automotivo.

Enviar comentário