Small data aponta novos rumos para o varejo

80

Informação ampla do big data começa a dar lugar nas lojas à informação individual com foco no cliente para proporcionar uma experiência única de consumo

Claudio Milan

claudio@novomeio.com.br

A evolução tecnológica e dos hábitos de consumo tem levado o varejo à multicanalidade. Cada vez mais a fusão da loja física com a virtual se consolida como tendência no segmento. E, por trás desta complexa teia de informações, está o big data com todo o imenso volume de dados que armazena. Porém, o novo momento que o comércio vive é extremamente dinâmico e os conceitos se sucedem dia após dia.

Na edição passada, o Novo Varejo apresentou em detalhes a loja-laboratório Omnystore, aberta no Shopping Center Villa Lobos, em São Paulo, e uma das principais vertentes do projeto é a construção de um completo perfil do cliente a partir dos dados gerados pelas ferramentas digitais de interação. Essa personalização foi tratada por Richard Stad, CEO da VCI, detentora da marca de moda Aramis, como uma evolução do big data. “Pessoas e dados. O ouro da nossa geração, do nosso momento, é a informação. Estamos saindo do momento do big data, da informação ampla, para o small data, que é a informação individual, que é onde eu vou entrar no final”, disse o executivo em sua palestra durante o Seminário da Reposição Automotiva 2017.

Ao abordar o varejo sob a ótica do mercado omnichannel, Stad destacou que o objetivo do varejo deve ser proporcionar ao consumidor uma experiência única. “Cada vez mais nosso desafio é entender o consumidor, entender como a gente se relaciona com ele e qual a importância do ecossistema – e quando eu falo de ecossistema eu me refiro também a nossos colaboradores, nosso time, e como esse negócio tem que se conectar. O que eu tenho aprendido é que o ecossistema é tão mais amplo que envolve todo mundo que faz parte da transformação do setor. Vivemos a era da conexão e do entendimento em que todas as áreas e todo o setor se conectam”.