Empresário celebra sua paixão pela Rural 1974

101

Nelson Garbuggio, de 68 anos, conta como a história de seu xodó se confunde com as lembranças da família

Rural faz sucesso por onde passa

A série “Meu Xodó” nasceu com o intuito de mostrar a paixão dos balconistas de autopeças por seus carros. Nas duas primeiras edições a série apresentou a Rural de Euclides Rocha, da gaúcha Ramos & Copini, e p Civic de Valdomiro Guimarães, da paranaense Unipeças. Mas nossa redação tem recebido inúmeras mensagens de leitores de diferentes áreas da loja e do próprio mercado. Por isso, nesta edição abrimos a primeira exceção para mostrar o amor de um proprietário de loja de autopeças por seu veículo. Esta história começou logo após a publicação da primeira reportagem da série, quando Elisabeth Garbuggio, ao receber o jornal das mãos de sua mãe, Marisa, contatou nossa redação com o desejo de que seu pai, Nelson Garbuggio, acompanhado de sua Ford Rural 1974, se tornassem protagonistas de uma edição da série.

Com uma longa história no mercado de reposição e apaixonado por seu carro, Nelson Garbuggio, proprietário da Garbuggio Centro Automotivo e Peças, de São Caetano do Sul (SP), é nosso personagem do mês.

 

O personagem

Nascido no ano de 1949, Nelson Garbuggio possui um estabelecimento bastante peculiar. Unindo a reparação de veículos com a compra e venda de peças originais de carros antigos, novos e importados, a loja que carrega seu sobrenome reúne em um só lugar a vanguarda de reposição automotiva e um romantismo saudoso.

Saudosismo este, aliás, que se reflete na vida pessoal do personagem. Além da Rural 1974, Garbuggio tem mais dois carros antigos: um Jeep Ford 1973 e um caminhão Chevrolet de 1949, ano de seu nascimento.

“Cuido muito bem de todos e todos são originais. Procuro sempre mantê-los conservados”, conta o entrevistado, sem esconder sua preferência. “Entre todos, a Rural é a mais importante porque desde que comprei usei para ir à chácara com minha família. Na época em que meus filhos eram pequenos, ficávamos todos na chácara com a Rural — levávamos também seus amiguinhos… Minha Rural já fez até carreta para um ex-prefeito de Rio Grande da Serra (SP) que era muito amigo nosso. São lembranças muito boas”, relembra.

Nelson é mais um brasileiro apaixonado por carros

O xodó

A Rural de Garbuggio não vive apenas de lembranças. Segundo o proprietário, até hoje ela é sucesso quando passeia pelas ruas. “Por ser chamativa, as pessoas me param para perguntar o ano, dar os parabéns e até perguntam se quero vender”, relata.

Sem interesse nenhum em vender o xodó, o empresário aproveita ocasiões especiais para leva-la a exposições — nas quais o veículo é bastante elogiado. Pudera. Além de ter tido apenas um cuidadoso e único dono, a Rural de Garbuggio rodou apenas 108 mil quilômetros em seus 43 anos de vida, número que explica muito o estado de conservação.

“Mesmo rodando pouco, faço manutenção de acordo com o manual do proprietário, que ainda guardo intacto”, conta o orgulhoso personagem.

Questionado sobre o que mais gosta em seu carro, Garbuggio elege o tamanho do porta-malas e a tração 4×4, ideal para os passeios off road em que a Rural ainda é utilizada. Além disso, destaca a beleza das cores vinho e branca.

“A Rural é meu xodó por muitos motivos. Pelas lembranças que ela carrega de minha família, meus filhos e meus já falecidos pais, pela serventia que tem na chácara até hoje e pelo orgulho que ela me dá ao ver o carinho que as pessoas nas ruas têm por ela”.